Cozinha regional de Braga: as melhores sobremesas da cidade dos arcebispos

Ver PDF | Ver Impressão
por: CR28 Total leituras: 293 Nº de Palavras: 934 Data: Fri, 5 Apr 2013 Hora: 9:32 AM 0 comentários

Braga é uma terra fértil em história, monumentos e gastronomia. Além dos pratos típicos minhotos, o distrito guarda sobremesas que são conhecidas um pouco por todo o país, mas cuja confeção é guardada como um tesouro pelas gerações bracarenses. Conheça as três sobremesas mais famosas por entre os melhores restaurantes em Braga, porque são tão tradicionais e quais os segredos da sua preparação.

Já Ramalho Ortigão dizia “há só um banquete português que desbanca todos os jantares de Paris, mas que os desbanca inteiramente: é a ceia da véspera de Natal nas nossas terras do Minho”. Nesta altura do ano, a mesa de Braga enche-se das sobremesas mais tradicionais da região.

A cavaca minhota é um desses exemplos. Contudo, estas maravilhas doceiras são confecionadas durante todo o ano e facilmente encontradas nas pastelarias da cidade e na casa de cada bracarense.

Cavaca minhota

É a sobremesa e doce mais conhecido de Braga. Está presente em qualquer feira ou romaria. Os feirantes fazem questão de levar este produto a todas as localidades onde há um evento popular.

A confeção deste doce é mais fácil do que parece. Basta ter os ingredientes certos e algum tempo para se dedicar à sua preparação. Assim, deverá começar por bater as gemas com o açúcar. Estas devem ser bem misturadas, por isso, se estiver a bater à mão deverá fazê-lo durante 30 minutos. Se tem batedeira bastam 10 minutos. Posteriormente, à parte deve bater as claras em castelo. Ao preparado vá juntando cuidadosamente as gemas. O processo deve ser alternado com a farinha previamente peneirada.

De seguida, deite a massa pronta numa forma redonda, untada e polvilhada com farinha. O ideal será que a forma seja lisa e com cerca de 25cm de diametro. Leve a cozer em forno médio (180º C) por 40 minutos. Após cozido, pica-se o bolo todo com um palito e rega-se com a calda, sem retirá-lo da forma. Está pronto a desenformar e a ser coberto com o preparado.
Em relação à calda, dissolva o açúcar com 2 dl de água e leve ao lume com a casca de limão. Deixa-se ferver o preparado até ao ponto de pasta e está em condições para regar o bolo. Para a cobertura, tem que dissolver o açúcar no leite sobre lume muito brando ou em banho-maria. Cubra o bolo com este preparado.

Aletria com ovos

É uma sobremesa típica do Norte do país e que está em qualquer mesa de Natal dessas regiões. A confeção típica e tradicional da aletria veio de Braga e é lá que está a receita original, que tem passado de geração em geração.

Para uma boa aletria e tipicamente bracarense coza a aletria em água durante alguns minutos e escorra-a. Depois, leve o leite ao lume, com uma casca de limão, junte o açúcar e a aletria e deixe cozer. Quando estiver cozida, adicione a manteiga, mexa e retire do lume. Nesse momento, misture as gemas batidas e leve novamente ao lume até que estas fiquem ligeiramente cozidas.

Em Braga serve-se polvilha com canela.

Pudim de Abade de Priscos

É a escolha certa para uma mesa de festa e certamente um das mais famosas iguarias da gastronomia minhota. O Pudim Abade de Priscos é também conhecido como Pudim de Toucinho e tem origem conventual. É uma dos marcos gastronómicos não só do distrito mas de toda a região minhota.

O toucinho é o elemento central que dá a este pudim uma outra consistência e aspeto inconfundível. É ainda evidente o sabor que o vinho do Porto e da canela conferem a esta receita de finais do século XIX. Foi um dos poucos petiscos deixados pelo abade de Priscos, grande cozinheiro da época e que confecionou belos manjares para o rei.O segredo, dizem os minhotos, está nas mãos, olfato e paladar do cozinheiro. A receita é bastante simples.

Coloque um tacho ao lume com a água, o açúcar, a casca de limão, o toucinho e o pau de canela. Deixe ferver durante 2 minutos e passe depois a calda por um passador de rede. À parte, desfaça a farinha com as gemas e verta a calda em fio, mexendo sempre. Deixe amornar e junte o vinho do Porto.

Posteriormente deite o preparado numa forma de pudim caramelizada e leve a cozer em banho-maria a 190° C, durante uma hora. Retire depois de cozido, deixe arrefecer muito bem e desenforme. Está pronto a servir.

Sobre o Autor

Eis algumas das melhores sobremesas da região de Braga!




Pontuação: Não pontuado ainda


Comments

No comments posted.

Add Comment