Artigos sobre Viagens e Lazer

351: CIDADE DE TRANCOSO
Num cenário medieval de sonho e maravilha, ergue-se a antiquíssima Vila de Trancosoe, recentemente tornada cidade. Trancoso faz parte do restrito programa das “Aldeias Históricas de Portugal”, pelas suas características únicas e o seu estado de preservação. Trancoso encontra-se hoje rodeada de muralhas, da época dionisiana, com um belo castelo, também medieval, a coroar esse majestoso conjunto fortificado. Com os seus numerosos monumentos, da arquitectura civil e religiosa, constitui um dos mais expressivos e belos centros históricos do país, visitado anualmente por muitos milhares de pessoas. Saiba mais sobre a história da cidade .

352: CIDADE DE SEIA
Seia é uma cidade serrana, sede de concelho, da região Centro do País, conhecida por ser uma das entradas para o magnífico Parque Natural da Serra da Estrela, localizando-se na área do seu município o ponto mais elevado de Portugal Continental: a Torre a 1993 metros de altitude.

353: CIDADE DE PINHEL
Constituído por 27 freguesias o concelho de Pinhel destaca-se pala riqueza paisagística e patrimonial que o caracterizam. O concelho de Pinhel apresenta também um conjunto muito significativo de testemunhos arqueológicos e históricos. O concelho de Pinhel recebeu foral de Dom Sancho I em 1209, detendo funções de organização militar e jurisdição. Tornou-se sede de diocese e cidade em 1770, durante o reinado de Dom José I, por desanexação da Diocese de Lamego, mas em 1881 a diocese de Pinhel foi extinta pela Bula Papal de Leão XIII e incorporada na diocese da Guarda. Saiba mais sobre a história da cidade.

354: CIDADE DE MÊDA
Mêda é uma bonita cidade serrana, sede de concelho, situada na região Centro do País, rodeada de uma natureza de grande beleza, nomeadamente a partir de Fevereiro, quando começam a florir as amendoeiras, proporcionando paisagens fenomenais, conhecida também pela sua produção vinícola

355: CIDADE DE MANTEIGAS
No coração do maciço montanhoso da Serra da Estrela, a pequena vila de Manteigas, para além da sua indústria têxtil, tem vindo a dar cada vez maior atenção ao turismo, pois a Serra é cada vez mais escolhida como destino de férias e excursões. A antiguidade do povoamento de Manteigas pode ser confirmada através de diversos vestígios arqueológicos encontrados na área do concelho. A toponímia concorda com essa antiguidade. Campo Romão terá sido um lugar fortificado, Crasto tem significado evidente, Persoltas possui um claro sentido medieval. Algumas lápides romanas, também. Saiba mais sobre a história da cidade.

356: CIDADE DA GUARDA
Guarda, a cidade mais alta de Portugal, ergue-se a 1056 m de altitude na vertente noroeste da cadeia da Serra da Estrela. A história da cidade da Guarda, nomeadamente do planalto que o Centro Histórico ocupa, tem início em época medieval, com os alvores da nacionalidade portuguesa . É sobretudo com o avanço do processo da reconquista até à linha do Mondego, com a conquista da cidade de Coimbra, que os monarcas portugueses se vão preocupar com a criação de mecanismos de defesa que permitam a formação de barreiras face aos avanços almóadas e leoneses para territórios recentemente conquistados. Saiba mais sobre a história da cidade.

357: CIDADE DE GOUVEIA
Na encosta ocidental da Serra da Estrela, o concelho de Gouveia usufrui das magníficas paisagens do Vale do Mondego, caracterizadas pela abundância de cursos de água, lagos e lagoas e flora e fauna diversificada, enquanto o granito – e, no Inverno, a neve – domina a zonas serranas mais elevadas. Diz-se que Gouveia terá sido povoada pelos Túrdulos no século VI a.C. e, posteriormente pelos Luso-Romanos. A rainha D. Teresa doou-a em couto, no ano de 1125, os freires da Ordem de São João de Jerusalém, radicados no Mosteiro de Águas Santas, na Maia. Saiba mais sobre a história da cidade .

358: CIDADE DE FORNOS DE ALGODRES
Fornos de Algodres situa-se numa encosta virada ao vasto horizonte por onde passa o idílico vale do Mondego e que avança até às alturas da Serra da Estrela. Para norte eleva-se o planalto de Algodres, recortado a leste pela Ribeira de Muxagata e a oeste pela ribeira de Carapito. Fornos de Algodres preserva um importante património histórico-arqueológico, desde os vestígios monumentais e artísticos aos de carácter mais singelo, mas igualmente importantes, e que marcam a evolução da presença humana na região, desde a Pré-História à actualidade. Os Dólmens ou Antas são vestígios mais antigos da Pré-História do concelho. Saiba mais sobre a história da cidade.

359: CIDADE DE FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO
Situado em pleno coração da Região do Riba-Côa, o concelho de Figueira de Castelo Rodrigo, instituído por Decreto de 25 de Julho de 1836, apresenta grande riqueza de património edificado e paisagístico, mas é o calor das gentes que constitui a sua principal riqueza. Historicamente, falar de Figueira de Castelo Rodrigo implica remontar muitos séculos na história. Desde a Pré – História até ao séc. XX, muitos são os testemunhos existentes, permitindo-nos viajar pelo tempo à descoberta das raízes históricas de toda uma região. Entranhado no coração da região do Riba Côa, o concelho de Figueira de Castelo Rodrigo, instituído por decreto de 25 de Julho de 1836, apresenta grande riqueza de património edificado, onde assume papel de destaque Castelo Rodrigo, uma das mais belas e marcantes Aldeias Históricas de Portugal. Saiba mais sobre a história da cidade.

360: CIDADE DE CELORICO DA BEIRA
Celorico da Beira é um dos 14 Municípios que integram o Distrito da Guarda, banhado pelo Rio Mondego, nos contrafortes da Serra da Estrela. A primitiva ocupação humana de seu sítio é obscura, admitindo-se que remonte a um castro pré-histórico. De acordo com uma lenda, a povoação teria sido fundada por Brigo, quarto rei da Hispânia, em 1091 a.C.. Outros autores, como Pinho Leal (1872) admitem a sua fundação pelos Túrdulos, por volta de 500 a.C., quando se denominava Celióbriga. Saiba mais sobre a história da cidade.


Página 36 de 43
[1]   [2]   [3]   [4]   [5]   [6]   [7]   [8]   [9]   [10]   [11]   [12]   [13]   [14]   [15]   [16]   [17]   [18]   [19]   [20]   [21]   [22]   [23]   [24]   [25]   [26]   [27]   [28]   [29]   [30]   [31]   [32]   [33]   [34]   [35]   [36]   [37]   [38]   [39]   [40]   [41]   [42]   [43]